Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXVII

A revolução de Abril no Liceu

Afinal a primeira geringonça política portuguesa surgiu no Liceu de Castelo Branco, quando em 1975, os estudantes afetos ao MRPP e à Juventude Socialista decidiram candidatar-se em conjunto, numa lista, à comissão de gestão da escola, que pela primeira vez iria integrar representantes dos alunos. Uma geringonça, que como referiu João Goulão, hoje docente, na altura aluno, acabaria por dar frutos com a vitória nas eleições, face à lista adversária afeta aos estudantes da UEC e MES.

Livros & Leituras

Fragmentos de Novalis (Assíro & Alvim), com selecção, prefácio, tradução e desenhos de Rui Chafes, em reedição, pensamentos do escritor alemão, que viveu entre 1772 e 1801, figura ímpar do Romantismo, é um livro de amor pela poesia desse que foi o grande cultor da arte poética como filosofia, ciência espiritual e magia do que é natural. “Tudo o que autêntico dura eternamente. A verdade é antiquíssima”.

A Revolução de Abril no Liceu de Castelo Branco

O livro “A revolução de Abril no Liceu de Castelo Branco” (ed. RVJ Editores) será apresentado no âmbito dos 50 anos do 25 de Abril em Castelo Branco, no próximo dia 27, na Escola Secundária Nuno Álvares, pelas 16H15. A obra conta uma história com muitas «estórias» vividas na primeira pessoa, por quem, na altura, ali estudava ou ensinava. Uma história suportada com documentos que Moisés Fernandes, hoje médico e cirurgião ortopedista, guardou durante estas cinco décadas.

Livros & Leituras

Uma Brancura Luminosa (Cavalo de Ferro), de Jon Fosse, Prémio Nobel em 2023, é o seu mais recente livro, uma voz utilizando o monólogo interior para aceder à corrente do subconsciente, espraiando-se por zonas desconhecidas, neste caso um homem que se perde numa floresta onde nevou, para encontrar umas figuras da sua imaginação, até alcançar um estado de luminosidade estranha mas reconfortante, numa prosa sinuosa poética e em clave quase transcendente, sem paralelo na literatura actual.

Perdições na Fábrica da Criatividade

O livro “Perdições”, da autoria de Jerónimo Barroso, foi apresentado na passada sexta-feira, na Fábrica da Criatividade, em Castelo Branco, numa sessão que encheu por completo o espaço expositivo daquele equipamento.

Cargaleiro – Guaches|Gouaches celebra os 97 anos do mestre

“Cargaleiro – Guaches|Gouaches” é o nome da nova exposição patente desde o passado dia 16 de março, no Museu Cargaleiro, em Castelo Branco. A inauguração assinalou o dia do 97.º aniversário do pintor e ceramista Manuel Cargaleiro.

Livros & Leituras

Tal Como És (Assírio & Alvim), de Ryokan (1758 – 1831), o mais acarinhado e popular monge-poeta e calígrafo japonês, aqui traduzido directamente do original por Marta Morais, nesta antologia, com introdução e posfácio da tradutora, daquele que deixou escrito: “quem diz que os meus poemas são poemas?/ estes meus poemas não são poemas/quando perceberem que os meus poemas não são poemas/então, juntos, e pela primeira vez, poderemos falar de poesia”.

Livros & Leituras

Poesias Completas (Assírio & Alvim), de S. João da Cruz (1542- 1591), em reedição, com tradução, prólogo e notas de José Bento, é dos maiores feitos da poética espanhola, uma obra ímpar que une a inspiração espiritual ao verbo terreno, numa iluminação que perdura pelos séculos. “Penetrei onde não soube/e fiquei não o sabendo,/toda a ciência transcendendo”.

Livros & Leituras

Alguém Falou Sobre Nós (Bertrand), de Irene Vallejo, filóloga e autora do imprescindível “ O infinito num junco” (na mesma editora), em crónicas publicadas em jornal, reúne um breviário de pensamentos colhidos da sabedoria da Antiguidade Clássica, que muito ajudam a compreender as perplexidades humanas que ainda afligem o mundo de hoje.

"Receitas do Avôs e daqueles que não o são" em livro de saberes e sabores

Castelo Branco poderá vir a acolher a “Confraria da Gastronomia, das Artes e do Pensamento”. O desafio foi lançado durante a apresentação do livro “Receitas dos Avôs e Daqueles que não o são”.

Adelaide Fontaínhas lança livro aos 93 anos

Maria Adelaide Fontainhas apresenta, no próximo dia 16 de dezembro, na Biblioteca Municipal António Salvado, em Castelo Branco, o seu quarto livro, pelas 15h00. “Miscelâneas da Vida” é mais uma obra onde a autora aborda diversos assuntos e temas que “nascem do quotidiano em Castelo Branco”.

‘Receitas dos Avôs e daqueles que não o são’ para este Natal

O livro “Receitas dos Avôs e Daqueles que não o são - 2.º Volume” é apresentado dia 22 de dezembro na Biblioteca Municipal António Salvado, em Castelo Branco, pelas 18h00.

Livros & Leituras

Os Sonetos a Orfeu (Assírio & Alvim), de Rainer Maria Rilke (1875 – 1926), seguidos de “Poemas à Noite”, com tradução e prefácios de Maria Teresa Dias Furtado, publicado há um século, são o culminar de uma obra ímpar da poética alemã do século XX, juntamente com “As Elegias de Duíno”, fruto de um labor e um espanto, com ecos de Holderlin e Novalis: “Tudo o que visível descansa sobre um fundo invisível”.

Movimento associativo na Covilhã

O livro “História do Movimento Associativo Empresarial da Covilhã (1840-2020)”, da autoria do docente e investigador António Rodrigues de Assunção, editado pela RVJ Editores, acaba de ser apresentado no salão nobre da Câmara da Covilhã. A sessão foi presidida pelo autarca Vitor Pereira, que destacou a importância do trabalho para o concelho.

Livros & Leituras

Cartas da Terra (Penguin Clássicos), de Mark Twain, com introdução de António Araújo e tradução e posfácio de Madalena Caramona, póstuma obra de Twain, apenas publicada em 1962, é um virulento e cáustico libelo, ao jeito de Voltaire, contra as ideias feitas da religião do seu tempo, sob o pretexto de umas missivas enviadas por Satanás aos arcanjos Miguel e Gabriel, no seu périplo pela Terra, onde “todas as pessoas são insanas”, tal é incredulidade com que se depara. “O Homem reza ao criador, pensa que Ele o ouve. Não é uma ideia bizarra?”.

Toni Morrison

A norte-americana Toni Morrison (1931-2019), nascida Chloe Ardelia Wofford, foi a primeira escritora negra a receber o Nobel da Literatura, em 1993.

José Jorge Letria: um heterónimo chamado Liberdade

José Jorge Letria considera que se tivesse um heterónimo seria a palavra Liberdade. O autor recebeu o Prémio Internacional de Poesia António Salvado.

Livros & Leituras

A Cidade da Vitória (D. Quixote), de Salman Rushdie, vai buscar ao registo das antigas epopeias da Índia uma história fabulosa que tem como narradora Pampa Kampana, bafejada pelo poder demiúrgico da Deusa, que com o seu verbo encantado cria a partir de um saco de sementes um reino que durou uns duzentos e cinquenta anos, do século XIV em diante, com uma presença lusitana, compondo um longo poema, descrevendo o modo como criou e manteve a cidade de Bisnaga, através da palavra sussurrada, e tudo o que lhe sucedeu enquanto viveu, da ascensão à dissolução, com digressões míticas. Um livro que é uma maravilhosa efabulação.