Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Conhecer o território e decidir

O novo modelo de financiamento das instituições de ensino superior públicas deverá estar concluído até 2024. Elvira Fortunato, ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, pretende que esta nova fórmula “tenha em conta critérios transversais ao sistema e inclua uma dimensão de contratualização em que se valorize o contexto de cada instituição, as questões de internacionalização, de interioridade, de insularidade, a produção científica, entre outras variáveis, sem nunca perder de vista a diversidade do sistema que é preciso preservar”.

A ciência para definir políticas

Durante a pandemia a ciência, os cientistas e as instituições de ensino superior e de investigação foram o trunfo que o mundo usou para combater algo desconhecido, para o qual não havia solução.

Portugal, um país de mulheres inventoras

Portugal tem a segunda maior percentagem de mulheres inventoras da Europa. Os 26,8% registados pelo Instituto Europeu de Patentes (IEP) estão muito acima dos 13,2% que correspondem à média europeia. Os dados referem-nos também que o Alentejo é a região da Europa onde se regista a maior percentagem de mulheres inventoras (34,9%).

O espaço é um mundo

O Portugal Air Summit, a maior cimeira ibérica dedicada à aeronáutica e uma das mais importantes da Europa, voltou a evidenciar a importância que os setores da aeronáutica e do aeroespacial representam na atualidade quer do ponto de vista económico, com a criação de empresas de ponta, quer científico com as academias a apostarem em formações que estão a ser escolhidas pelos melhores alunos.

O primeiro dia do resto de uma vida

Quase 50 mil alunos entraram este ano, pela primeira vez, no ensino superior, através da primeira fase do Concurso Nacional de Acesso. É o segundo maior número de sempre, contrariando a demografia, e confirmando a tendência registada já no ano passado, que os jovens e as suas famílias percebem a importância da formação e da qualificação para o futuro. Para o seu futuro e para o futuro de um país que se quer competitivo.

Universidades europeias, o caminho para o futuro

A Comissão Europeia acaba de divulgar a lista de alianças de instituições de ensino superior do espaço europeu que se constituíram como Universidades Europeias. Espaços de conhecimento, de formação, investigação, mas também de oportunidades de partilha e de inovação que, no seu conjunto, vão capacitar-se a si e à Europa para os desafios exigentes que o mundo tem pela frente.

Rankings, o engano dos sonhos

Ano após ano, a comunicação social, a partir de dados disponibilizados pelo Ministério da Educação, publica diferentes tabelas classificativas das escolas portuguesas. Os resultados apresentados têm em conta os critérios que cada órgão de comunicação adotou, sendo por isso diferentes uns dos outros. Esta hierarquização das escolas, da forma como é feita, levanta questões diversas e cria demasiado ruído junto dos leitores, ouvintes ou telespetadores.

As médias e os exames na vida dos estudantes

Mais de 150 mil alunos do ensino secundário estão a realizar os exames do ensino secundário, que se iniciaram no passado dia 17 de junho. No total serão feitas 260 mil provas e tal como no ano passado, devido à pandemia de Covid-19, os alunos só precisam de realizar estas avaliações se pretenderem entrar no ensino superior.

Português e Espanhol na ciência

A ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Elvira Fortunato, considera que “temos de capitalizar mais os 850 milhões de falantes de espanhol e português”. Uma ideia que vem ao encontro dos resultados do estudo “O português e o espanhol na ciência: notas para um conhecimento diverso e acessível”, realizado por Ángel Badillo,do Real Instituto Elcano.

Saúde mental no superior

Mais de 50% dos estudantes universitários portugueses piorou o seu estado de saúde psicológica durante a pandemia. Os dados, resultantes de um estudo conduzido por associações e federações académicas do país, são reforçados pela Ordem dos Psicólogos Portugueses que, com a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento lançou, no passado dia 11 de abril, o programa Saúde Mental no Ensino Superior. No total são atribuídos 100 mil euros a projetos de intervenção psicológica em instituições de ensino superior.

As provas e exames na nova normalidade

Dois anos depois da pandemia ter mudado as nossas vidas, a escola procura adaptar-se a uma nova normalidade no seu funcionamento. Este ano letivo apenas se registaram alterações pontuais no calendário escolar, no entanto o isolamento profilático, a que docentes, alunos e funcionários foram obrigados a cumprir devido à Covid-19, faz com que as atividades letivas presenciais sejam prejudicadas.

Caminhar com segurança e sem curvas

Portugal teve, nos últimos anos, um crescimento significativo no número de diplomados pelas instituições de ensino superior. A taxa de escolaridade do ensino superior na população com 30-34 anos atingiu 44% em 2021, crescendo 4% face a 2020 e 20% desde 2010. Portugal registou um novo máximo histórico de 411 mil 995 estudantes inscritos no ensino superior no último ano letivo (2020/21), mais 15 mil estudantes do que no ano letivo anterior. Os números demonstram ainda que, pela primeira vez, Portugal encerra um Quadro Comunitário em que a ciência portuguesa consegue mais retorno dos fundos centralizados do que aquilo que o país lá colocou.

Stress dos professores

Ser professor hoje é mais do que ser professor. Falemos do ensino não superior, onde às atividades letivas se soma uma imensidão de tarefas administrativas. O relatório Eurydice “Os Professores na Europa – Carreira, Desenvolvimento e Bem-Estar”, da Comissão Europeia, aponta este como um dos principais fatores que provocam stress junto dos professores.

A ciência do espaço para um mundo melhor

Atravessamos momentos difíceis com perspetivas pouco animadoras no que às alterações climáticas diz respeito e sem termos a noção concreta do que poderá acontecer no futuro.

O envelhecimento e a falta de docentes

Um estudo divulgado este mês pelo Ministério da Educação revela que nesta década serão necessários mais 34 mil 508 professores nas escolas portuguesas. Os números não surpreendem e vêm ao encontro de uma das faces visíveis da escola pública: o envelhecimento da classe docente e a falta de rejuvenescimento dos quadros de professores.

As praxes, a pandemia e a carta

No último ano letivo a pandemia afastou as praxes presenciais das universidades e politécnicos. Surgiu, nesse período a chamada praxe a distância em algumas academias. Com o regresso às atividades letivas presenciais, a receção aos novos alunos voltou a merecer honras de praxe. Como diria um professor de economia que tive no meu quinto ano da licenciatura, “é aqui que a fêmea do suíno torce o apêndice caudal”. Quero com isto dizer que quando praticada com o recurso à humilhação e à coação, a praxe deve ser condenada, criticada e denunciada.

O primeiro dia

77 por cento dos alunos que se candidataram ao ensino superior através do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ficaram colocados na primeira fase. Falamos de 49 mil 452 estudantes, aos quais se vão juntar mais de seis mil que na segunda fase de candidatura (que decorre de 27 de setembro a 8 de outubro) poderão ocupar as vagas ainda disponíveis no CNA; e de todos aqueles que vão chegar às universidades e politécnicos através das outras formas ingresso, como os Maiores 23, concursos regionais de acesso, ou estudantes internacionais, por exemplo.

Os Censos e o ensino superior

Os números preliminares dos Censos 2021 demonstram uma queda acentuada na população residente em Portugal, sobretudo em territórios de baixa densidade, como o interior do país.