Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Universidade Universidade de Évora cria cátedra inovadora que liga a academia à indústria

29-10-2021

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, participa, no próximo dia 1 de novembro, no lançamento da nova cátedra "High Performance Computing (HPC)" da Universidade de Évora. A cerimónia decorre às 15H30, no Colégio do Espírito Santo, naquela universidade e contará com as presenças da reitora da Universidade, Ana Costa Freitas, de Paulo Quaresma, vogal do Conselho Diretivo da FCT , do presidente do Conselho Geral, João Carrega, e de representantes de várias empresas nacionais e internacionais.

A cátedra é liderada por Miguel Avillez, coordenador do Centro High Performance Computing, da Universidade de Évora (HPC-UÉ), do Grupo de Astrofísica Computacional desta Universidade e investigador na Universidade Técnica de Berlim.

Segundo o Ensino Magazine apurou, a cátedra é "patrocinada pela Hewlett Packard Enterprise", constituindo uma parceria multidisciplinar universidade-indústria centrada nos domínios da computação de elevada performance (HPC),  a ciência de dados (cujo processamento e análise necessitam de recursos computacionais de elevada performance;  HPDA), da inteligência artificial (IA) e da prototipagem".

Esta infraestrutura de investigação e desenvolvimento (I&D)  "conta com uma equipa constituída por 24 investigadores das Universidades de Évora, do Algarve, Nova de Lisboa e do Porto com especialização em diferentes áreas científicas como a supercomputação, processamento de dados, machine learning, inteligência artificial, ciências da computação, ciência dos dados, astrofísica computacional, química e bioquímica computacional, biofísica computacional, bioinformática, saúde, recursos minerais e humanidades digitais", revela a Universidade.

Na mesma nota é explicado que a Cátedra "envolve entidades públicas e empresas nacionais internacionais como a Hewlett Packard Enterprise (patrocinadora da Cátedra), a DECSIS Sistemas de Informação, S.A., a Assimagra - Recursos Minerais de Portugal, a ANIET - Associação Nacional da Indústria Extractiva e Transformadora, a ACPMR - Associação Cluster Portugal Mineral Resources, a Geosense, GEOteKnics, Entidade Regional de Turismo do Alentejo, Colab KiTP - Knowledge to Innovate Professions in Tourism, 3D Business Hub, FastCompChem, Health Tech Lisboa, Starkdata, entre outras".

Para além daquelas entidades, "esta nova infraestrutura tem a parceria das Universidades do Algarve, Nova de Lisboa e do Porto".

A Cátedra "permitirá uma abordagem  mais eficiente às estratégias nacional e europeia de inovação digital para o meio académico, empresas e  outras organizações público-privadas, promovendo a transferência de conhecimento entre a academia e a indústria, potenciando o desenvolvimento e adoção de HPC, HPDA e IA pelos diferentes intervenientes na região e aos níveis  nacional e internacional".

De acordo com a mesma nota, "a Cátedra HPC compreende o estabelecimento de uma estrutura dedicada à investigação e desenvolvimento, ao armazenamento, gestão e processamento de dados; a coleções de dados; à prestação de serviços especializados em HPC, HPDA e IA para intervenientes locais, nacionais e internacionais; à formação certificada em HPC, HPDA, IA bem como a um programa de preparação e envolvimento das PMEs na utilização destas tecnologias e de recursos computacionais".

Para além disso, potencia "a utilização das infraestruturas de computação avançada locais geridas pelo Centro de HPC - UÉ, como o supercomputador OBLIVION, adquirido no âmbito da infraestrutura de investigação ENGAGE SKA, especificamente para processamento de dados do projeto mundial Square Kilometre Array, que está presentemente a ser atualizado para o dobro da capacidade de processamento e dez vezes mais capacidade de armazenamento de dados, a cluster VISION dedicada ao processamento com inteligência artificial utilizando tecnologia NVIDIA, sendo a maior cluster em Portugal com esta capacidade, e a cluster ORION utilizada na aceleração de software com coprocessadores".

 
Voltar