Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Universidade de Évora Olhar o futuro em dia de aniversário

22-11-2021

A Universidade de Évora assinalou, no passado dia 1 de novembro, o seu aniversário, numa sessão em que a reitora da instituição aproveitou para fazer um balanaço do seu persurso à frente da instituição, mas também por traçar caminhos para os futuros desafios. Ana Costa Freitas, que termina o seu mandato em maio do próximo ano, referiu que a estratégia gizada pela UÉ em torno da Ciência foi “conseguida”. Para o seu sucesso “a dedicação de toda a Academia foi fundamental”. Fez questão de frisar que “deverá ser a qualidade que nos deverá divulgar”, num processo que beneficiará “a imagem global de uma Universidade ambiciosa e arrojada”.

Citada em nota enviada ao Ensino Magazine, Ana Costa Freitas, realçou, entre outras prioridades, a construção do edifício já candidatado ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para acolher a Escola de Saúde e Desenvolvimento Humano, a recuperação de alguns edifícios e laboratórios, bem como a aposta no alojamento universitário, um problema que lamentou ainda não ter conseguido resolver.

A reitora acentuou que “a sociedade no seu todo deverá perceber o valor do Ensino Superior”; a pandemia “mostrou bem o valor da ciência, muito mais do que a vacina, toda a investigação associada”, pelo que, na sua opinião, a aposta por parte do poder político no Ensino Superior deverá ser uma prioridade, “porque o investimento no Ensino Superior contribuí para o desenvolvimento social e as Universidades beneficiam a sociedade”.

Ana Costa Freitas, fez questão de agradecer a todos os que colaboraram, esperando que a Universidade continue “centrada nas pessoas e a trabalhar cada vez mais em parceria”, projetando-a a nível nacional e internacional.

João Carrega, presidente do Conselho Geral, encerrou a sessão, considerando que “Ana Costa Freitas, como reitora, deixou bem vincada a sua intervenção na Universidade de Évora e a academia saberá, certamente, reconhecer o seu trabalho”. Aquele responsável aproveitou o momento para sublinhar alguns desafios que a universidade deve abraçar, como a internacionalização, nomeadamente na constituição de universidades europeias, para as quais “o orçamento da União Europeia tem alocados cerca de 287 milhões de euros”.

O presidente do Conselho Geral salientou também a importância da Universidade com a região e o tecido empresarial; a questão do alojamento e o impacto económico da instituição para a cidade e a região.

A cerimónia contou com as intervenções de Henrique Gil, presidente da Associação Académica da UÉ, que salientou o papel central que os Estudantes assumem na Universidade “essenciais a toda a estrutura, porque sem estudantes não à futuro”; e de Alexandra Fernandes, diretora dos Serviços Académicos que destacou a importância desta classe profissional no quotidiano e funcionamento da Instituição, atuando em diversas tarefas e funções.

A Lição Inaugural foi proferida por Filipe Rocha da Silva, Professor Catedrático do Departamento de Artes Visuais e Design da Escola de Artes da UÉ, subordinada ao tema «A Patologia da Arte».

A cerimónia permitiu ainda premiar o mérito académico dos alunos. Assim, a Bolsa de Mérito Jornal Ensino Magazine, atribuída ao estudante que concluiu em 2020/21, com a média mais elevada, foi entregue Alice Isabel Manilhas Nunes, estudante de Enfermagem, com a média de 18,15 valores.

OPrémio Escolar da Universidade de Évora, instituído em 1988 pelo Senado Universitário para galardoar anualmente o estudante da Universidade que tenha concluído a sua licenciatura com melhor classificação final, nunca inferior a 16 valores, foi atribuído a António David dos Reis Fernandes, estudantes que concluiu no ano letivo de 2017/2018, o curso de Design com a classificação final de 17,6 valores.

As Bolsas de Mérito do Programa Alumni Eugénio de Almeida, instituídas pela Fundação Eugénio de Almeida como homenagem ao seu fundador, Engenheiro Vasco Maria Eugénio de Almeida, são entregues anualmente aos melhores estudantes finalistas dos cursos de Economia, Gestão e Sociologia. Da Licenciatura em Gestão, com a média de 16,7 valores recebeu a bolsa de mérito, Ana Patrícia Cordeiro Varela, da licenciatura em Economia, com a média de 14,5 valores, a estudante Tatiana Cardoso Vila Nova e da licenciatura em Sociologia, com a média de 15,95 valores, a estudante Inês Filipa Valadas Picaró. 

Margarida Loureiro Recendes Reis Diamantino que ingressou este ano na licenciatura em Psicologia com a classificação de 18,9 valores recebeu o Prémio de Mérito Santander Universidades.

O Prémio Excelência Académica Santa Casa da Misericórdia de Évora, que distingue a melhor tese de investigação (de mestrado ou de doutoramento) na Área Social foi atribuído a Pedro Miguel Fraústo Gonçalves, com a dissertação de mestrado em psicologia, “Perspetivas e expressões de crianças sobre o seu bem-estar: Um estudo qualitativo em contexto pré-escolar”.

Com o Prémio João Cidade, atribuído ao melhor trabalho académico original no âmbito do Mestrado em Enfermagem, sendo atribuído pela primeira vez a João Pedro da Silva Tavares, pela tese com o título “Benefícios da Metodologia ABCDE na avaliação do dente crítico: revisão sistemática de literatura”. 

No atual contexto onde os constrangimentos económicos são uma realidade, o Professor Peter Vogelaere, do Departamento de Desporto e Saúde, Professor Emérito da Universidade de Évora, decidiu atribuir uma bolsa anual aos estudantes que tenham completado a licenciatura em Ciências do Desporto na nossa Universidade, e que tenham optado por seguir os estudos no mestrado em Exercício e Saúde nesta instituição. A Bolsa Peter Vogelaere foi atribuída este ano ao estudante Catarina Sousa Sapata.

Por ter ingressado no 2º ano do Mestrado em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia, a Bolsa “Parteiras para a Lusofonia” é atribuída este ano, pela primeira vez, a Cristina Margarida Manjate.

A marcar o final das comemorações do aniversário sobre a fundação da Universidade Jesuíta, em 1559, teve lugar o Concerto pela Orquestra Clássica da Universidade de Évora, sob direção do maestro Pedro Amaral.


 
Voltar