Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Politécnico Politécnico de Coimbra integra nova universidade europeia

29-07-2022

O Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) faz parte da nova universidade europeia. A Green European University – UNIgreen”, foi aprovada pela Comissão Europeia no quadro da mais recente abertura de candidaturas à Iniciativa Universidades Europeias, no âmbito do programa Erasmus+.

Segundo o Ensino Magazine apurou, a UNIgreen integra, para além do Politécnico de Coimbra, a Universidade de Almería, da Espanha, e que é a coordenadora do projeto, a Universidade de Módena e Reggio Emília, em Itália, a Universidade de Agricultura de Plovdiv, da Bulgária, a Universidade de Agricultura da Islândia, a Haute-École de Liége, na Bélgica, a Universidade de Ciências da Vida de Varsóvia, Polónia, e o Instituto de Biotecnologia (Sup’Biotech) de Paris em França.

Citado em nota enviada à nossa redação pelo IPC, Jorge Conde, presidente do Politécnico de Coimbra, revela que este é “um passo decisivo na história do Politécnico de Coimbra. A integração numa Universidade Europeia é o reconhecimento do trabalho que temos desenvolvido e que, tendo um forte cariz regional, não deixa de ser internacional”.

No entender daquele responsável, esta é também uma oportunidade “para podermos abraçar projetos de maior envergadura, no contexto europeu, nomeadamente facilitando a capacidade de diálogo entre os parceiros”.

Jorge Conde, na mesma nota adianta que esta é “uma porta maior para a investigação, para a realização de ciclos de estudo em conjunto, nomeadamente doutoramentos. O facto de ser uma universidade europeia ligada à economia verde, à sustentabilidade e às alterações climáticas é um motivo maior de satisfação, pois poderemos deixar a nossa marca num futuro melhor”.

O presidente do IPC destaca ainda a ligação dos parceiros do IPC ao universo das universidades de ciências aplicadas. Será  “mais um facto para nos garantir que o nosso desejo de sermos uma universidade politécnica faz cada vez mais sentido”, explica.

A implementação do projeto da UNIgreen vai arrancar em janeiro de 2023 e, nesta primeira fase, decorrerá ao longo de 48 meses com um financiamento europeu de seis milhões e oitocentos mil euros.

Segundo o Politécnico de Coimbra, "a nova universidade europeia pretende ser a principal universidade europeia na área da Agricultura Sustentável, Biotecnologia e Ciências do Ambiente e da Vida, onde os estudantes e a comunidade académica vão desenvolver valores, atitudes, conhecimento e competências para se tornarem agentes ativos na transição para uma economia neutra em termos climáticos e, ao mesmo tempo, eficiente na utilização de recursos. A UNIgreen assenta na construção de um ecossistema que ligará a educação, a inovação, e a investigação à sociedade e ao território para promover o desenvolvimento sustentável".

Citada na mesma nota, Maria João Cardoso, pró-presidente do IPC para as Relações Internacionais, revela este é um “enorme passo na internacionalização e um projeto crucial para o futuro do Politécnico de Coimbra” e explica que, ao longo dos próximos anos no quadro da UNIgreen vão ser erguidas uma série de estruturas comuns e desenvolvidas atividades conjuntas com grande impacto na instituição e fora dela.

“A estratégia conjunta desta nova Universidade Europeia foca-se na excelência e para a promover iremos implementar, entre outros e apenas para referir alguns exemplos, um Campus Virtual, um Centro de Investigação Conjunta, uma Escola Internacional de Doutoramentos e um Centro Internacional Comum”, reforça Maria João Cardoso.

O IPC esclatrece que o relatório de avaliação da Comissão Europeia à candidatura, que obteve 89 valores, e que avalia critérios de relevância, qualidade do design e implementação do projeto e dos acordos de parceria e cooperação e o impacto do projeto, destaca a “ambição” da proposta e a visão de longo prazo com elevado potencial para “transformar e promover  o desenvolvimento da cooperação na área da economia verde na Europa, com especial foco nas temáticas da agricultura sustentável, biotecnologia verde e ciências do ambiente e da vida.” 

 
Voltar