Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Politécnico IPG cria penso inteligente para controlar feridas crónicas

29-07-2022

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) acaba de desenvolver um penso inteligente com o objetivo de controlar o tratamento de feridas crónicas em ambiente hospitalar. O projeto ‘Smartwound’, que venceu a fase regional da 18ª edição do concurso de empreendedorismo Poliempreende, pretende facilitar o trabalho dos profissionais de saúde e garantir aos utentes um tratamento mais cuidado e controlado.

O penso está equipado com um biomarcador que permite detetar as variações de pH no leito da ferida através da mudança de cor. Assim, quando existe a presença de exsudado e/ou microrganismos, característico do processo inflamatório/infecioso, o valor de pH altera e o penso muda de cor, alertando assim os profissionais de saúde para a necessidade de substituir o dispositivo.

Este dispositivo médico visa combater a “problemática associada ao tratamento de feridas crónicas em unidades hospitalares e à dificuldade de saber o momento certo para substituir os pensos dos pacientes”, afirma Teresa Paiva, professora no IPG e coordenadora do projeto. “É uma ideia simples, mas muito inovadora e eficaz. É o exemplo de como podemos transformar investigação em inovação, através de produtos e serviços com valor prático para a sociedade”.

Além das vantagens do penso, a participação no concurso Poliempreende é também benéfica para os alunos. “Iniciativas como esta impulsionam o espírito crítico dos estudantes, que é cada vez mais valorizado no mercado de trabalho”, afirma Joaquim Brigas, presidente do IPG

O projeto foi pensado e concretizado pelos estudantes Ana Nunes, Catarina Dias e Guilherme Alves e pelas professoras Carla Castro e Sónia Miguel. “Houve a preocupação de reunir uma equipa multidisciplinar para desenvolver o penso inteligente. Fazem parte do projeto alunos das licenciaturas de Biotecnologia Medicinal e de Engenharia Informática, com conhecimentos bastante distintos, mas que se complementaram muito bem”, afirma Carla Castro, uma das professoras que integra o Smartwound.

 
Voltar