Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Politécnico Politécnico de Setúbal abre escola em Sines 27-07-2021

O Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) vai abrir uma escola de ensino superior em Sines. O acordo com a autarquia daquela cidade foi assinado dia 26 de julho, numa cerimónia que contou com a presença dos ministros da Ciência e do Ensino Superior, Manuel Heitor, e da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.

De acordo com o Politécnico de Setúbal, a "futura escola, que vem preencher a lacuna de formação de nível superior existente nesta sub-região alentejana, prevê uma oferta abrangente, em áreas consideradas estratégicas, como Tecnologia, Informática, Digital, Energia, Turismo e Bem-estar, Mar, Logística e Sustentabilidade, e através de cursos de licenciatura, mestrados, pós-graduações e também CTeSP (Cursos Técnicos Superiores Profissionais)".

Citado na nota enviada à nossa redação, Pedro Dominguinhos, presidente do IPS, considera que o projeto da nova escola superior em Sines representa, um fator de desenvolvimento e competitividade regional” para todo o Alentejo Litoral, onde se destacam investimentos como o centro de dados Sines 4.0, a nova fábrica de indústria aeronáutica da Lauak, em Grândola, o projeto de ampliação da Repsol Polímeros e o crescimento do porto de Sines, bem como outros na área do turismo e da energia.

Para Pedro Dominguinhos, esta que será a sexta escola superior do IPS, pretende “assegurar a oferta de formação ao longo da vida”, contemplando os mais jovens e também a população adulta, nomeadamente através de cursos desenhados “à medida”, que resultem de “soluções construídas com as empresas e organizações, para responder à necessidade de novos trabalhadores especializados na região”.

O projeto de parceria, enquadrado no Portugal 2030 e também no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), representa um investimento de cerca de cinco milhões de euros.

CMSines
 
Voltar