Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Opinião O vírus fez-se convidado para o nosso Natal

Não o escondemos de ninguém e avisámos a nossa Família, os nossos amigos, conhecidos e companheiros de tertúlia e trabalho.

Esperança e Amizade são as palavras que me ocorrem neste momento.

Para quem costumava fazer a Festa Natalícia com mais de 20 familiares, passou de repente a jantar de Avós a dois, que apesar das novas tecnologias, custa.

Mas haverá mais e como anteriormente.

Nestes momentos temos que transmitir Esperança para os outros, fazendo ver e crer que cerca de 90% dos doentes irá sobreviver bem.

A vacina para nós não chegou, feliz ou infelizmente, a tempo.

Veio antes a doença que julgo irá passar por todos como um comum síndrome gripal após vacinação.

Sou de opinião que quando se tem um problema se deve partilhar antes que se avolume e deixar que outros façam parte da sua resolução. E é aqui que entra a nossa família - inexcedível, apoiante, compreensiva e intocável - e os nossos amigos que temos "a potes". Estes fizeram o trace (telefonemas diários a perguntar pelo nosso estado de saúde e bem estar), trouxeram os jornais, revistas diariamente, alimentos e para cumulo serviram um manjar no Almoço de Natal, em sistema de "room service".
Sim, mesmo com a doença, tive um excelente Natal com prendas, amizade e com o conhecimento profundo daqueles a quem nunca poderei esquecer e pagar.

Sem me querer alongar direi que passei 4 testes:
-o positivo para a doença;
-o teste da ideação suicidária, devido ao confinamento, que nunca me ocorreu;
-o teste familiar largamente superado;
-e por último será o teste negativo à doença e o retomar à vida normal.

Estivemos dias sem ir às compras, sem passearmos, sem ir a restaurantes e cafés, sem ver alguns dos nossos conhecidos. Mas durante este tempo de resiliência, de prisão domiciliária sem culpa formada, não definhámos e enfrentámos, sem medo e com Esperança apoiada na Amizade de alguns, um período que não esqueceremos e que muito nos enriqueceu no saber da quantidade e qualidade de Amigos que temos.

Quem os tem assim não corre perigo de ter inimigos.

Boas Festas.

Miguel Resende
Médico