Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXIII

Edições RVJ Idoso 4.0: Envelhecer em tempos de futuro 26-04-2021

“Idoso 4.0 - Envelhecer em tempos de futuro” é o novo livro dos investigadores Vito Carioca e Ana Fernandes, numa edição conjunto da RVJ Editores do Politécnico de Beja. Os autores revelam que esta obra tem como objetivo “refletir paradigmas continuamente emergentes próprios da Quarta Revolução Industrial e das questões do envelhecimento humano e arriscar respostas às dúvidas que se avolumam, sempre que mergulhamos no interrogar o futuro”.
Explicam Vitor Carioca e Ana Fernandes, na sua nota de introdução, que nos “situamos temporalmente no mundo 4.0. Um mundo que já se encontra no limiar, hoje, na contemporaneidade, e onde emerge todos os dias a disrupção tecnológica, a mudança, a inovação e novos desafios à mente humana. Este é o mundo da Quarta Revolução Industrial e de todos os seus efeitos colaterais”.
O livro é o resultado dos “últimos tempos mergulhados” na investigação centrada no estudo dos interfaces idoso-tecnologia, com particularidade nos seus efeitos nos processos de envelhecimento do Ser Humano”.
Ao longo de 10 capítulos os autores questionam: “continuamos a acreditar que a especialização do ser humano no que é ainda (?) verdadeiramente humano nos permitirá competir com as máquinas no futuro? Estaremos preparados para alterar o status quo da humanidade e mudar as mentalidades em 360o? E que implicações terá esse novo mundo no viver e, principalmente, no envelhecer? Ou tudo isso serão inevitabilidades num futuro que já chegou?”.
“São pistas que vos deixamos, muitas dúvidas que irão gerar espirais de reflexão e novas dúvidas e questões. Este é o propósito maior deste livro”, acrescentam.
Estes são os caminhos da obra e o seu propósito maior é contribuir para a construção de pensamentos inovadores, para uma sociedade de novas aprendizagens no processo de envelhecimento humano. Um ensaio inacabado, aberto e disponível para a reflexão coletiva, desejavelmente orientada para entender o mundo do futuro e acreditar que será possível o equilíbrio na relação Humano-Máquina.

 
Voltar