Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXVI

Atualidade Em 50 anos o número de estudantes no ensino superior quintuplicou

29-12-2023

O número de alunos no ensino superior quintuplicou nos últimos 50 anos. Os números são revelados pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. De 81 mil 582 inscritos passámos para mais de 446 mil estudantes no ensino superior.

De acordo com os dados a que o Ensino Magazine teve acesso, houve também uma inversão no que respeita à frequência do ensino superior por sexo. Há 50 anos prevaleciam os homens com 58%. Hoje são elas que estão em maioria, com 54% dos inscritos. 

Os dados, publicados na Pordata, explicam ainda que as redes de ensino superior público e privado cresceram. Dos 446 mil e 28 estudantes que se encontram nas universidades ou politécnicos, 81% estudam em estabelecimentos públicos e 19% no provado (há meio século, apenas 5% dos cerca de 81 mil alunos estavam no privado).

O aumento do número de estudantes no ensino superior está muito relacionado com a rede de universidades e politécnicos que o país hoje possui e que resultou da visão do então ministro Veiga Simão, que permitiu o acesso generalizado a formação superior em todas as regiões.

Outro dado importante está relacionado com a própria instrução dos portugueses. A escolarização tornou-se universal. Um outro estudo, também da Fundação revela dos 5% de alunos com o ensino secundário em 1974 passámos para 88% em 2022. Se formos ao 3.º ciclo, verificamos que em 1974 apenas 18% tinham concluído o 9.º ano de escolaridade, numa taxa que hoje se situa nos 94%. O próprio pré-escolar, numa aposta feita no Governo de António Guterres, pelo então ministro da Educação, Eduardo Marçal Grilo, é hoje de 93%, quando no pós 25 de Abril de 1974 era apenas de 8%. A instrução primária passou de 85% para os 100% e o 2.º ciclo do ensino básico, dos 26% para os 91%. 

Significa isto que, apesar da demografia evidenciar que hoje temos menos jovens (o que fez com que das 16 mil escolas primárias existentes em 1974 passássemos para cerca de quatro mil em 2022), a base de recrutamento para o ensino superior tem aumentado. 

 

Infografia Pordata
Voltar