Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Portugal Air Summit Portugal pode ter base de lançamento de satélites

25-10-2022

Portugal pode vir a ter uma base internacional de lançamento de satélites. O presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), João Cadete de Matos, falou sobre esta forte possibilidade durante o Portugal Air Summit, a maior cimeira do setor aeronáutico, que decorreu entre 12 e 15 de outubro, em Ponte de Sor, numa organização daquele município em parceria com a Associação Comercial e Industrial de Ponte de Sor e da The Race.
“Queremos que Portugal possa ser a plataforma de lançamento de satélites”, disse na sua comunicação, acrescentando que “há um local, na Ilha de Santa Maria, nos Açores, que pode servir de base”.
João Cadete de Matos abordou, na sua comunicação, o tema “o papel dos satélites na conetividade e na promoção da coesão territorial”, sublinhando a importância que os satélites de baixa altitude podem vir a ter na capacidade de resposta em todo o território, no que respeita à conetividade.
O presidente da ANACOM foi um dos conferencistas no primeiro dia de um evento que para o Secretário de Estado da Economia, João Neves, “reforça a confiança dos investidores, fortalecendo a imagem de Portugal como um local onde as oportunidades empresariais podem ser concretizadas”.
O governante frisou que esta cimeira é um “exemplo de quando as vontades remam juntas é possível construir soluções com valor para a nossa sociedade”, acrescentando que o Ministério da Economia vai “destacar o papel do Portugal Air Summit como catalisador para construir um país melhor”.
João Neves encerrou a sessão de abertura do Portugal Air Summit, onde Hugo Hilário, presidente da Câmara de Ponte de Sor, realçou a estratégia de desenvolvimento do Aeródromo de Ponte de Sor, numa perspetiva de desenvolvimento regional.
“O cluster aeronáutico do Município tem tido uma crescente notoriedade nacional e internacional. Apresenta-se atualmente muito mais robusto e diversificado, e é claramente um projeto com futuro que reúne um polo de formação e apresenta condições ímpares para fixação de empresas, totalizando já 14 empresas, num posicionamento diversificado”, realçou Hugo Hilário.

Quebra de passageiros
e retoma

Na sessão de abertura, Tânia Cardoso Simões, presidente da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), classificou o evento “como uma das maiores cimeiras da Europa”.
Abordando a questão da aviação civil, Tânia Simões recordou o facto de em 2020 e 2021 se terem registado quebras no número de passageiros de 80 e 58 por cento, respetivamente, face a 2019.
A presidente da ANAC disse que “em 2022 o setor subiu em força”, lamentando que tenha ocorrido uma “tempestade menos agreste” (que a provocada pela pandemia) relacionada, entre outros fatores com a falta de recursos humanos e com o aumento dos combustíveis”.
Tânia Simões explicou “que no verão tivemos 6,1 por cento dos voos cancelados. Uma situação que acompanhámos e cujos aspetos negativos foram diminuindo ao longo do verão. “Apesar de todas estas questões, a segurança nunca foi colocada em causa”.
Para o futuro, a presidente da ANAC vê como desafios as questões da atratividade do setor ao nível dos recursos humanos; a introdução de drones; digitalização do setor e a diminuição da pegada carbónica.

TAP nunca
foi lucrativa

“A TAP nunca foi lucrativa. Tudo será feito para a tornar sustentável”. A afirmação é de Christine Ourmières-Widener, presidente TAP Air Portugal, para quem a pandemia prejudicou muito a companhia. “Estou há um ano na TAP e encontrei a empresa numa situação muito má. Temos condições para torná-la maior”.
No seu entender, “esta será a última oportunidade, pois a empresa não poderá receber mais apoios do Estado nos próximos 10 anos”. Mas alertou: “recuperar totalmente a TAP vai demorar muito tempo”.
Christine Ourmières-Widener explicou a companhia “está gerar os mesmo níveis de receita com menos frota e menos trabalhadores. Estamos a recuperar a confiança dos clientes e a melhorar os serviços prestados. Ainda há muito para fazer. Temos que optimizar os custos, renegociar os acordos de empresa, melhorar a relação com as pessoas e o modo como comunicamos”.
A presidente da TAP disse ainda “estar já a preparar o próximo verão”, recordando que o último teve “muitos contratempos”.

João Neves, Secretário de Estado da Economia

João Neves, Secretário de Estado da Economia

Jornalistas e apresentadora do evento

Jornalistas e apresentadora do evento

Tânia Cardoso Simões, presidente da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC)

Tânia Cardoso Simões, presidente da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC)

Christine Ourmières-Widener, presidente da TAP Air Portugal

Christine Ourmières-Widener, presidente da TAP Air Portugal

João Carrega
 
Voltar