Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Atualidade Ministra quer financiamento mais justo para universidades e politécnicos

27-05-2022

A ministra do Ensino Superior, Elvira Fortunato, diz ter como prioridade chegar a um modelo de financiamento mais junto para as universidades e politécnicos. Este ano ainda não haverá alterações.

“Uma das nossas prioridades é chegar a um modelo de financiamento que seja mais justo”, disse aos jornalistas, à margem da sessão dos 25 anos da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, realizada dia 26 de maio na Universidade da Beira Interior.

Elvira Fortunato referiu que, contudo, para este ano "será impossível haver alterações" nesse financiamento.

As palavras da ministra respondia assim ao inconformismo do reitor da UBI, por a sua instituição estar a ser subfinanciada "e de receber menos por aluno do que outras universidades do país".

Para Elvira Fortunato a “preocupação existe”, no entanto recorda que está no Governo há cerca de dois meses e que a questão dos modelos de financiamento se prolongam há quase uma década.

“Estamos à espera de um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que está a trabalhar neste assunto e que vai ser entregue em setembro”, detalhou.

A ministra também assumiu que não pode garantir que, em 2023, já possa ser aplicado um novo modelo, dado que ainda terá de ser discutido e aprovado por todos os intervenientes.

Questionada sobre uma eventual fórmula, explicou que a solução ainda está a ser trabalhada, mas apontou que as assimetrias entre instituições e até no país poderão entrar no futuro “racional de distribuição”.

Explicou ainda que para que este novo modelo seja “mais justo” e possa ser aplicado, também é preciso “capitalizar mais financiamento para o ensino universitário, que também está a ser subfinanciado”.

“Para além das assimetrias que existem entre as várias instituições, no seu todo, o sistema também precisa de ter mais financiamento”, disse.

EM com LUSA
MCTES
 
Voltar