Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXII

Espaço está integrado no Geopark Naturtejo sob os auspícios da Unesco Parque português candidato a melhor do mundo 07-11-2020

O parque português do Barrocal, que hoje abriu portas em Castelo Branco, está entre os projetos finalistas do prémio mundial World Architecture News Awards, na categoria Urban Landscape. O concurso decorre em Inglaterra e que reúne projetos de todo o mundo. Os vencedores serão conhecidos este mês, através de uma cerimónia transmitida em canais digitais, de acordo com a própria organização.

Para além do Parque do Barrocal, onde o Município de Castelo Branco investiu cerca de um milhão de euros, estão nesta final os seguintes projetos: Canal Park (México); He Art Museum (Hong Kong); Koge Kyst/Kose Shore (Dinamarca); Maitland Levee and Riverlink Building (Austrália); Parque Central (Espanha); Salesforce Transit Center and Park (Estados Unidos); e Sankt Kjelds Square and Bryggervangen (Dinamarca).

O Parque do Barrocal teve como arquitetos Teresa Barão, Luis Ribeiro, Catarina Viana, Elsa Calhau, André Godinho, Rita Salgado e Ana Lemos. Envolveu ainda outros especialistas casos de Olavo Dias, Sérgio Sousa & Gonçalo Santos, Bartolomeu Perestrello, Pedro Delgado e Ana Tiago & Pedro Silva e Sousa.

Teresa Barão explicou, aquando da apresentação da candidatura ao prémio, que “este é um parque especial, que sai fora das tipologias normais deste tipo de espaços. No mundo inteiro não há muitos exemplos como o Parque do Barrocal, que é uma área natural, com 40 hectares, em plena cidade”.

O parque apresenta percursos bem definidos, com passadiços, quatro miradouros (Picota, S. Martinho, Mércoles/Campina, e Águias), observatório de aves, espaços para crianças, dois parques de estacionamento, mobiliário urbano, uma cafetaria e estruturas de ensombramento.

O espaço tem início no passadiço principal que serpenteia uma pequena subida e nos leva ao cimo do Parque. É desse local que se começa a ter uma vista diferente sobre a cidade. Continuamos a caminhada agora em passadiços de madeira, que nos conduzem aos diferentes miradouros. Um deles está ligado por uma ponte suspensa. O modo como os percursos estão definidos, em harmonia com a natureza, convidam ao passeio e levam-nos até um túnel de sombra, ao fim do qual temos um outro miradouro.


Na perspetiva de preservar o espaço e os equipamentos, o parque foi vedado. Tem cinco entradas diferentes, sendo que antes da principal, junto à variante, fica localizado um pequeno parque de estacionamento. Após o portão da entrada principal acede-se ao grande espaço de receção do Parque, constituído por um conjunto de pequenos edifícios modulares.

Os percursos estão feitos de forma a que caminhada seja leve e com pouca dificuldade. Mas quem preferir sair dos trilhos pode fazê-lo e descobrir o resto da área.

Carlos Neto de Carvalho, diretor Científico do Geopark Naturtejo - território que integra a rede mundial de geoparques classificada pela Unesco, explica que o Parque do Barrocal “é, até agora, o maior investimento feito na valorização do seu Património Geológico (no Geopark Naturtejo, que integra da rede mundial de geoparques da Unesco). Será uma porta aberta à cidade e uma importante atração turística natural no centro da região a partir da qual o visitante pode percorrer o resto do território”.

José Augusto Alves, presidente da Câmara, revela que a presença do “Parque do Barrocal nesta lista de finalistas vem reforçar a qualidade deste projeto e a importância deste espaço para o concelho e para a promoção de Castelo Branco”. Neste Parque a autarquia investiu cerca de um milhão de euros, num espaço que constituiu uma forte aposta do anterior autarca Luís Correia.

 

João Carrega
 
Voltar