Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXII

Covid-19 Virologista Pedro Simas diz que aparecimento de nova estirpe de coronavírus pode ser um bom sinal 20-12-2020

O virologista Pedro Simas, do Instituto de Medicina Molecular de Lisboa, considera que o aparecimento de uma nova estirpe de coronavírus, detetada no Reino Unido, de certa forma até é um bom sinal. “Este não é um fenómeno novo, já aconteceu durante a pandemia várias vezes, estão sempre aparecer estirpes novas localizadas geograficamente, mas isso, de certa forma, é um bom sinal, é sinal de que não se está a reverter para estirpes mais virulentas, que provoquem doença mais grave”, disse à Agência Lusa.

No seu entender, “para já, não há motivos de preocupação, mas temos de estar atentos, vigilantes, porque ainda não há dados sobre a influência e o impacto que vai ter na vacina, mas é pouco provável que aconteça de uma maneira dramática”, sublinhou.

O virologista defendeu ainda que “é preciso ter alguma prudência da divulgação destas notícias” porque “se do ponto de vista da saúde das pessoas, estas estirpes que aparecem são menos virulentas”, por outro lado “é mau porque quanto mais infeções houver mais probabilidade há de infetar os grupos de risco que poderão desenvolver doença grave”.
“Aquilo que se está a tentar controlar é o número de infeções, não é esta variante provocar mais doença”, referiu, considerando que o aumento das restrições nas zonas de Londres e sudeste de Inglaterra anunciado pelo governo inglês “foi ajustado”.

Pedro Simas considerou ser “pouco provável” que a nova estirpe do coronavírus responsável pela covid-19 tenha “impacto gigantesco” na vacina.
“Temos de aguardar e estar atentos, não é expectável que tenha um impacto gigantesco”, mas “é muito precoce estar a especular em relação a isso”, disse.

Em relação ao facto de a nova estirpe detetada no sudeste do Reino Unido ser 70% mais eficaz na disseminação do vírus, o especialista defendeu que “se as pessoas usarem máscara e respeitarem as regras de distanciamento tanto faz que a estirpe seja mais transmissível ou não, porque as medidas funcionam na mesma”.

“Não era desejável para Portugal, no momento em que estamos num planalto com muitas infeções diárias, que tivéssemos uma estirpe que nos aumenta o número de casos”, disse Pedro Simas, lembrando que “os grandes disseminadores deste vírus são os assintomáticos ou os ligeiros, com poucos sinais clínicos”.

Recorde-se que o primeiro-ministro britânico anunciou sábado que Londres e o sudeste de Inglaterra vão entrar novamente em confinamento, sendo proibidas as reuniões natalícias e encerrado o comércio não essencial para travar a propagação da covid-19 nas duas regiões.

As autoridades britânicas já alertaram a Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a descoberta da nova variante, que se espalha com maior velocidade, embora não haja evidências de que seja mais letal ou que possa ter impacto na eficácia das vacinas desenvolvidas contra acovid-19, embora este ponto esteja ainda a ser avaliado “com urgência para confirmação”.

O Reino Unido está incluído na lista dos 10 países com maior número de infeções e de mortes associadas ao novo coronavírus - mais de 1,9 milhões de casos, 66.541 óbitos.
A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.685.785 mortos resultantes de mais de 76,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 6.063 pessoas dos 366.952 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

EM com LUSA
Instituto de Medicina Molecular
 
Voltar