Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso website. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Diretor Fundador: João Ruivo Diretor: João Carrega Ano: XXV

Opinião O Ensino Magazine, a guerra e a paz

No mês de todas as guerras o Ensino Magazine conseguiu viver momentos de profunda paz interior.
A comemoração da sua entrada no vigésimo quinto aniversário contou de várias iniciativas, que neste número damos conta, envolveu amigos e colaboradores do jornal, gente que já faz questão de não faltar, porque isto dos jornais também se faz com grande apelo aos afectos e às cumplicidades.
O jornal vai longe, se nos perdoarem a imodéstia… O jornal vai mesmo muito bem, tendo em conta os apoios e palavras de estímulos que permanentemente nos chegam, principalmente quando se aproxima o mês de comemorar mais um aniversário.
Assim, gente feliz e sem lágrimas, passe o plágio, recordou, por mais uma vez que isto de estarmos a ter sorte dá mesmo muito trabalhinho. Mas, em abono da verdade, ninguém se queixa para levar o jornal cada vez a mais públicos ou para ter um rasgo de ideia que nos ajude a chegar mais longe, neste mundo global.
Sabemos que somos uma minoria teimosa. Percebemos que no início o projecto parecia louco. Mas também constatamos, vai para 25 anos, que se o Ensino sai todos os meses e esse facto depende de uma equipa alargada de amigos que faz deste jornal uma mescla de dádiva, mas também do muito saber de todos os especialistas e colaboradores que, nesta casa, mensalmente se reveem.
Abordar os problemas do ensino, da educação, da cultura, do cinema, do teatro, do multimédia e do mudo digital é, hoje, uma tarefa apaixonante e complexa. Não só pela diversidade das abordagens, mas também porque se sabe que se está a escrever para um leitor exigente e que se revê no nosso pluralismo democrático e inclusivo.
Nestes contextos, temos que reconhecer que não é fácil manter, ao longo de vinte e cinco anitos, a qualidade a que habituámos os leitores, já que a tentativa de resvalar para o facilitismo por vezes é tentadora.
Pese embora essa circunstância, a informação que nos chega dos mais diversificados meios académicos e culturais é a de que o Ensino Magazine se apresenta como um projecto sólido, sóbrio, sério, isento, profundo, diversificado, plural, maduro e incapaz de ceder à mediocridade.
Por tudo isto, repetimos que estamos em paz. Desde logo connosco e, depois, com cada um dos nossos leitores, aos quais estamos permanentemente a lançar novos desafios.
Estamos em paz porque queremos estar ao lado dos protagonistas da verdadeira mudança no ensino e na educação. Estamos em paz porque tentamos apQoiar professores e educadores a crescerem profissionalmente. Estamos em paz por sabemos que os estudantes são a única razão que alimenta e justifica a existência dos sistemas educativos.
Quem preferir a guerra, pelo menos este mês, não leia o Ensino Magazine. Sente-se calmamente no sofá da sala e vá-se passeando pelos vários canais de televisão. Até ao mês que vem. Em paz.

João Ruivo
ruivo@rvj.pt

Este texto não segue o novo Acordo Ortográfico