Editorial

Editorial
Aí estão os novos alunos

RUIVO2012.jpgNinguém ignora que a fonte da vitalidade e do crescimento do ensino superior nos países mais desenvolvidos da Europa se radica na busca de novos públicos.

A procura de novos aprendentes tem encontrado justificação no princípio de que o ensino superior é um dos recursos fundamentais e não esgotáveis para promover o bem-estar, a segurança pessoal e social dos povos e das nações, no pressuposto de que o capital intelectual irá substituir o capital financeiro e o capital físico, tornando-se, por isso, a pedra angular para a prosperidade e o desenvolvimento.

Interessa, pois, registar também a nossa convicção de que existem novos públicos que alimentam e se querem servir do ensino superior, de que existem milhares de cidadãos que se dirigem às instituições de ensino superior conscientes da necessidade da aprendizagem permanente, já que a sociedade do conhecimento gera a desactualização permanente.

Esses novos públicos são constituídos por adultos integrados na força do trabalho, que interiorizaram o princípio da aprendizagem ao longo da vida, procurando, por essa via, novos saberes que reforcem a qualidade do exercício da sua vida profissional, lhes abram novos caminhos profissionais, ou diferentes percursos no seu processo de crescimento pessoal. Muitos outros procuram as instituições de ensino superior numa idade ainda socialmente útil, mas em que os processos de reforma os encostaram à desocupação precoce, não compaginável com a vitalidade que ainda revelam.

Incompreensivelmente, são as entidades privadas quem primeiro despertaram para esta realidade, enredando-se as instituições públicas em processos de discussão endogâmica que certamente lhes permitem purificar, ao limite, a árvore, mas que as impedem de se lançar na exploração do manancial oferecido pela floresta.

Claro que estes novos públicos obrigam a mudanças radicais nas rotinas organizacionais das instituições. Mudanças que abarcam sectores tão diferenciados quanto os que se reportam aos horários de funcionamento, ou ao atendimento e entendimento pessoal e personalizado dos novos alunos. Mudanças que envolvem a criação de bibliotecas virtuais, plataformas de ensino a distância ou a implementação de procedimentos de comunicação próximos do que poderíamos designar por "pedagogia digital".

Estes novos paradigmas encerram também a necessidade, inadiável, de exigir uma clarificação da designação das titulações e dos diplomas em vigor, assunto sobre o qual urge a busca de um consenso, pelo menos entre os países que integram a Comunidade Europeia.

Pior do que o enfrentar dessa situação, é o imobilismo das próprias instituições de ensino superior em aceitar estes novos desafios, em incorporar a mudança, em inflectir comportamentos que visem aproximar o investimento pessoal de quem aí trabalha das necessidades da sociedade do futuro. E também o atavismo dos governos que preferem deixar nas regras concorrenciais do mercado a sobrevivência das instituições, em vez de, num esforço conjunto, desenharem com essas instituições os novos percursos e o sentido da mudança. Designadamente, sobre a necessidade de compreender que se a última metade do século XX correspondeu à necessidade de expansão da rede do pré-escolar, as primeiras décadas do século XXI exigem um considerável alargamento da rede de apoio aos públicos seniores.

Por isso nos interrogamos se estamos preparados para o aparente caos que já nos rodeia e que nos obrigará a mudar uma boa parte das nossas representações sobre o que é um aluno do ensino superior e sobre os métodos e os processos de os formar.

 
 
João Ruivo
ruivo@rvj.pt
 
 
Edição Digital - (Clicar e ler)